Nossos talentos

Hilário Antônio Fantinel Júnior

Sociedade Espírita Fraternidade

A observação cuidadosa da vida, sempre nos permitirá identificar os talentos com que fomos brindados pela Divindade, não tendo ninguém a permissão de julgar-se desprovido de ferramentas ou condições propícias à construção da própria felicidade.

Tudo na vida se nos apresenta como proposta de exercício, de experimentação, de aquisição mesmo de experiências que nos habilitam a novos anseios ou, nos aparelham de novos valores a nos garantir o almejado tropismo espiritual.

Assim, impossível seria realizar esse crescimento se não fôssemos detentores de exuberantes talentos.

Nossa saúde, por exemplo, representa um dos mais grandiosos talentos, justamente o que nos possibilita o trânsito terreno em a que são obtidas as mais importantes obras para a contabilidade espiritual.

Nossa família, indiscutivelmente, configura o honroso talento, do qual se pode usufruir a oportunidade de promover os grandes reajustamentos com vistas ao reequilíbrio individual e coletivo.

Nossas aptidões intelectuais em plena expansão pela via do estudo, a nos permitir, mais seguramente, pensar, decidir e realizar a existência como um projeto de eficácia, de boa utilização para o cumprimento de um finalismo divino.

Nossa capacitação profissional representa profícuo talento que nos oportuniza a coparticipar do desenvolvimento socioeconômico.

Nossos amigos que, nos franqueando a riqueza da companhia e apoio, são talentos que nos facultam experimentar a alegria da fraternidade, verdadeira antevisão de uma bem-querença universal.

Nossa fé e nossa religiosidade como facho de luz e bússola segura para os caminhos de renovação conformam-se em talentos abençoados “a falar-te de trabalho e de nobreza moral, impulsionando as energias de tua intimidade para as mais altas aspirações, longe de posturas irrefletidas e posições insanas, desconectadas da harmonia”.

Sendo tantos os talentos com que a Divindade nos regalou para a vitória evolutiva, não nos permitamos travar a marcha por nossa incúria ou infantis inconsequências.

Nossos talentos aguardam nossas ações!

Utilizemo-los!

REFERÊNCIA:

TEIXEIRA, J. Raul. Nossas Riquezas Maiores / por diversos espíritos. Niterói, RJ: Fráter, 1997. p. 77-78.