Fonte da Imagem: Super Mammy

Nas trilhas da sua reencarnação, deverá você defrontar os Espíritos que fazem parte do seu passado, de uma forma ou de outra, colocados em sua rota na situação de filhos complicados e difíceis.

O sofrimento e a frustração deverão acompanhar-lhe muitas vezes a lida, quando esperava obter dos seus rebentos um comportamento mais digno e ajustado ao bem, quando expressam, exatamente o oposto, na agonia em que se acham.

É mais do que compreensível a sua dor moral perante esses episódios, mas não se permita a desolação e o desespero. Deus, que é o seu Pai, quanto é genitor dos filhos de sua carne, acompanha todas as ocorrências que deverão repercurtir em sua evolução.

Os filhos que guarda no seu lar, marcados por desequilíbrios de comportamento, fazendo-se doidivanas, irresponsáveis ou cruéis, são aqueles que necessitam da sua compreensão e assistência.

Na condição de que conhece o Espiritismo, ou não, você deverá compreender as Leis de Deus, que falam de reeducação e renovação, de reajustes e de felicidade.

Nessas circunstâncias, você ofertará a esses filhos os melhores exemplos de vida digna, de honestidade e de grandeza no esforço do Bem, contudo, porque são Espíritos infelicitados em razão da própria bagagem moral que trazem, não se interessarão por sua honradez ou por sua probidade. Por serem doentes em si mesmos, não assimilarão facilmente os aconselhamentos ou os arrazoados, que você venha a lhes oferecer.

Não se perca, então, supondo-se ao desamparo do Criador.

Não se entregue ao desgoverno ou à rebeldia, lançando impropérios aos Céus, como se seu lar estivesse abandonado pelos Emissários da Luz.

Do mesmo modo, prepare-se para ouvir, aqui e ali, as referências sobre a falta de orientação no lar ou sobre a desatenção dos pais, quando você sabe que não é bem assim…

O mundo e os frívolos são assim, muitas vezes. Julgam por si, refletindo no julgamento suas realidades próprias.

Ignoram, na maioria das vezes, o seu esforço por manter seus filhos rebeldes na união com Deus, com o equilíbrio, com a luz.

Aceite, sem abandonar a luta, os desafios e as caluniosas referências, certo de que Deus vê, Deus sabe, sendo Ele a sua indispensável testemunha em tais questões.

Esses filhos problematizados, com certeza, são companheiros provenientes de desatinadas experiências ou de regiões espirituais de sofrimento e de purgação, ou de faixas psíquicas infernais, exatamente para os seus braços e para as suas atenções, uma vez que, perante a Espiritualidade Maior, você comprometeu-se em auxiliá-los com tudo o quanto estivesse ao seu alcance.

Muitos deles provêm de situações criminosas do pretérito, sem que consigam apagá-las de maneira simplista.

Vários deles deixaram as atuações obsessivas, capitulando ante o poder do amor que os foi buscar em regiões de sombras, mas que ainda estão presos ao hábito enraizado de perturbar, azorragar, infelicitar e mentir.

Outros desses filhos são seus inimigos de outras encarnações que voltam a seu lado para os acertos que o amor propõe.

Outros mais poderão não ser vinculados ao seus erros, mas aquelas almas que você prometeu ajudar, mesmo enfrentando dramas intensos, nos exercícios de intensas renúncias.

***

Se você vive nessas agonias de tê-los como filhos atormentados e de comportamento anti-social, continue amando-os e sofrendo-os, tanto quanto suporte.

Entregue-se nas Mãos de Deus, sim, mas não deixe de abençoá-los com sua maternal ou paternal presença, com sua mensagem de reeducação, de orientação, que jamais se perderá.

Um dia, esteja certo de que tudo se resolverá, nem sempre como você desejaria, porém, como pode ser ante as Leis indefectíveis do Grande Pai.

Você, então, tudo terá superado em termos do imediatismo do mundo, e verá, com alegria no coração, que se seus filhos, ainda quando estróinas ou perturbadores, não cometerem o suicídio nefando ou não incorrerem no homicídio execrando, terão conseguido dar mais um passo no rumo da liberdade de que necessitam, com a sua ajuda corajosa e firme.

Seu filho-problema grave é, antes de tudo, filho de Deus.

Realize a sua parte e confie na ação final do Pai Comum, sem deixar de amar profundamente os que lhe dão torturantes preocupações agora e que se tornarão créditos de luz na sua caminhada, logo mais.

(Brito, Thereza de. Vereda familiar / ditado pelo espírito de Thereza de Brito; psicografado por José Raul Teixeira. – Niterói, RJ: Fráter, 2004. págs107 a109.)